Aquário de quarentena: O hospital de peixes

AquQuem tem um aquário comunitário vai necessitar ao longo do tempo de um aquário hospital que funcione como maternidade e unidade de cuidados intensivos de peixes. Este segundo aquário não é um luxo, mas sim uma ferramenta básica que pode ser adaptada para várias funções.

Na verdade, podemos dar várias designações a este segundo aquário que dependem da função que desempenha. O termo “Aquário de quarentena” é usado quando está preparado para receber novos peixes. “Aquário hospital” aplica-se quando alberga um peixe doente. “Maternidade” é o nome dado ao aquário onde se colocam os alevins.

Apesar dos vários nomes, estas funções podem ser todas feitas no mesmo aquário, não simultaneamente, desde que as condições sejam ajustadas aos peixes e que o aquário seja desinfectado depois de receber um peixe doente.

Receber novos peixes

Os peixes estão sob grande stress quando albergados nas lojas. Isto porque estão geralmente em aquários pequenos ou superpopulados, já que se vão encontrar nessas condições por curtos períodos de tempo. Este stress contribui no entanto para o enfraquecimento do sistema imunológico, tornando os peixes menos resistentes a doenças. Desta forma, não é assim tão raro, obter peixes doentes de lojas. Para não correr riscos, utilize o aquário de quarentena para o albergar durante duas a três semanas. Procure sinais de bactérias ou parasitas. Se o peixe realmente estiver doente, é necessário aplicar a medicação indicada e mantê-lo neste aquário por um período mais longo.

Antes de introduzir o peixe no aquário de quarentena deve aclimatizá-lo. Mantendo dentro do saco alguns minutos e depois introduzindo parte da água do aquário dentro do saco plástico. Enquanto tiver o peixe no aquário de quarentena, vá aproximando os valores da água em relação aos do aquário principal, para que a transição seja suave.

Albergar peixes doentes

Um peixes doente deve ser transferido para o aquário hospital para que:

não transmita a doença a outros peixes saudáveis;
não seja atacado ou comido por outros, uma vez que se encontra fraco;
seja possível utilizar os medicamentos, muitas vezes tóxicos, sem prejudicar a saúde dos peixes não doentes.

Os peixes podem desenvolver bactérias ou parasitas no aquário principal. Os exemplares infectados devem ser isolados no aquário hospital  para poderem ser tratados com a medicação indicada. Os medicamentos podem deixar o peixe em stress, por isso antes de iniciar o tratamento espere um ou dois dias, para que este se habitue ao novo aquário e reduza assim o nível de stress resultante da muda de casa. Durante o tratamento, os parâmetros da água devem ser bem controlados e as trocas parciais de água (TPA) devem ser frequentes.

Depois de os sinais de doença desaparecem, espere pelo menos uma semana, fazendo testes à água, para se certificar de que o peixe se encontra em condições de ser transferido para o aquário principal. Vá estabilizando gradualmente os parâmetros da água fazendo com que se aproximem do aquário principal, antes de transferir o peixe.

Assim que transferir o peixe, deve lavar muito bem o aquário e os aparelhos para eliminar vestígios da doença.

Albergar alevins

Os alevins são um petisco apetecível num aquário comunitário e devem ser separados para que consigam sobreviver. A maternidade pode servir para receber os alevins, caso não tenha o aquário principal adaptado para que lá permaneçam protegidos dos peixes adultos.

Como preparar

Aquário

O aquário de quarentena/hospital ou maternidade deve ser um recipiente pequeno, geralmente 25 a 30 litros é suficiente, e deve estar equipado com todos os aparelhos necessários para manter a água em condições ideais.

Equipamentos

Bomba de circulação – A circulação do oxigénio é um factor essencial para a sobrevivência dos peixes. As hipóteses de sobrevivência de um peixe doente aumentam bastante se estiverem num aquário bem oxigenado.

Aquecedor e termóstato – Para peixes de água quente.

Filtro – O filtro não pode funcionar com base no carbono, uma vez que este neutraliza alguns medicamentos. Para melhor resultados, mantenha um pequeno filtro de esponjas no aquário principal e transfira-o para o aquário de quarentena. O filtro levará com ele as bactérias benéficas que aí se alojaram ao longo do tempo no aquário principal.

Iluminação – A iluminação no aquário de quarentena deve ser semelhante à do aquário principal. Já no aquário hospital, a iluminação deve ser fraca, pois alguns medicamentos reagem à luz. Use luz negra de preferência, que permite a detecção de parasitas.

Rede – Não deve ser utilizada a mesma rede no aquário principal e no aquário de hospital.

Kit de testes – PH, Amónia, Nitrito e Nitrato

Cartolina preta – Quando utilizado para tratar peixes doentes, deve forrar o exterior de todos os vidros do aquário com cartolina preta, exceptuando o lado frontal, que permite visualizar o peixe.

Decoração

A decoração do aquário hospital deve ser mantida o mais minimalista possível. Convém no entanto manter um ou dois esconderijos para que o peixe se sinta seguro e não aumente o nível de stress que prejudica a recuperação do animal. Não é aconselhável ter substrato, mas pode adicionar plantas ou pedras. Se utilizar o aquário para peixes doentes, não utilize plantas naturais. Estas necessitam de muita luz, o que não é aconselhável. Como opção, existem as plantas artificiais ou tubos de PVC.

No aquário de quarentena deve tentar ter o ambiente o mais semelhante possível ao aquário principal, mas mantenha a decoração minimalista.

Água

O aquário de quarentena não necessita de estar completamente cheio e pode utilizar nele a água do aquário principal. Desta forma não necessita de fazer o ciclo de nitrogénio nem de aclimatizar os peixes.

Com um segundo aquário, os peixes têm todas as condições para terem uma vida longa e para se reproduzirem. O aquário de quarentena/hospital/maternidade é assim indispensável para quem deseja dedicar-se a este hobbie.

Originalmente publicado na Arca de Noé: Fonte
Algumas imagens poderão conter direitos de autor, indicados na fonte.

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer contribuir para a discussão?
Sinta-se a vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *