Aves Granívoras: Suplementos Minerais

Aves GranAs aves granívoras têm as sementes como base da dieta. Estas sementes ou cereais não fornecem a quantidade suficiente de minerais que as aves necessitam, o que faz com que seja necessário recorrer a suplementos.

Os suplementos minerais são uma ajuda preciosa em determinadas fases da vida da ave:

  • na altura da postura dos ovos – fazendo com que as paredes do ovo não sejam moles
  • nos primeiros meses de vida  – contribuindo para a formação dos ossos
  • quando doentes – regulando a tiróide, etc.

Contudo, muitos suplementos devem estar disponíveis durante toda a vida da ave, para que ela própria os possa consumir conforme as suas necessidades. Em estado selvagem, as aves granívoras conservam muito bem este instinto de procurar aquilo de que sentem falta, contudo em cativeiro, as aves não têm este sentido tão apurado. Por isso convém vigiar a ave e a sua alimentação percebendo se ela faz um uso correcto dos suplementos, ou seja, se não os rejeita, podendo estar com deficiências a este nível, ou se não os consome em demasia.

Suplementos minerais

Grit

O grit é um suplemento que as aves devem ter sempre à disposição, pois facilita a digestão. Como as aves não têm dentes, as sementes são descascadas com o bico e engolidas inteiras. O grit, auxilia a digestão mecânica, impedindo que as sementes se colem umas às outras.

O grit pode ser mineral, composto por uma mistura de areia, conchas e carvão vegetal, ou então pode ser apenas composto apenas por concha de ostra. Alguns compostos do grit mineral, como exemplo a areia, não são solúveis e servem apenas para ajudar a triturar as sementes. Outros são solúveis e fornecem à ave minerais e cálcio. A concha de ostra, por exemplo, é solúvel, e por isso o recomenda-se misturar as duas variedades de grit.

O grit deve também ser adequado ao tamanho da ave, ou seja aves de maior porte devem ter acesso a um grit composto por pedaços maiores, enquanto que as aves mais pequenas, devem ingerir grit mais desfeito.

As aves doentes podem recorrer abundantemente ao grit, o que não é desejável, pois apesar de fornecer cálcio e minerais, o carvão que contem pode também absorver nutrientes. Caso a ave seja saudável, o grit é sempre uma mais valia.

Osso de Choco

O osso de choco é uma importante fonte de cálcio para as aves. As sementes, que são a base da alimentação das aves granívoras, não têm cálcio. Este mineral é indispensável para as aves, sobretudo para a postura de ovos e formação de ossos. Estas lâminas compridas provêm de moluscos marinhos, chocos ou lulas. Algumas espécies formam uma concha interna composta de minerais e cálcio. É essa concha que se oferece às aves.

Em algumas zonas de praia é possível encontrar ossos de choco, embora isso seja mais raro em Portugal do que noutras zonas do mundo. Contudo, caso encontre alguma aqui ou noutras praias, não dê directamente o osso à ave. Coloque o osso numa bacia com água durante uma semana e troque a água duas vezes por dia. Ao fim de uma semana, retire-o e deixe secar ao sol. Por fim, dê o osso à ave.

Blocos de Gesso

Também para suplementar as necessidades de cálcio na ave, existe, em alternativa ao osso de choco, blocos de gesso ou pedras de cálcio.

Bloco Mineral com Iodo

As aves granívoras e em particular os vários tipo de periquitos, beneficiam da existência de blocos minerais na gaiola. Este suplemento regula a actividade da tiróide já que qualquer deficiência a este nível por causar vários problemas na regulação da actividade corporal, como por exemplo a muda de penas. Os periquitos parecem necessitar mais deste suplemento do que qualquer outra ave.

Os blocos cor-de-rosa podem manchar as penas faciais das aves, por isso para quem tem aves de exposição, o ideal é dar blocos brancos.

Originalmente publicado na Arca de Noé: Fonte
Algumas imagens poderão conter direitos de autor, indicados na fonte.

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer contribuir para a discussão?
Sinta-se a vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *