Hamster: o pequeno amigo

Hamster: o pequeno amigoO Hamster tornou-se um dos animais de estimação mais populares dos tempos modernos. É pequeno, fácil de tratar e não necessita de alimentação dispendiosa, para alem de rapidamente conquistar a nossa simpatia com o seu comportamento amistoso. A origem deste animal pode ser relatada com bastante precisão. Um Zoólogo de nome Israel Aharoni, encontrou uma progenitora e uma ninhada de crias num buraco, durante uma expedição na Síria. Após algumas tentativas frustradas, conseguiram fazer criação com um macho e duas fêmeas, que se adaptaram bem à vida em cativeiro. Estava-se em Agosto de 1930 quando nasceu a primeira ninhada em cativeiro. Todos os hamsters de hoje descendem apenas de três animais!

O nome hamster, surgiu da palavra alemã “hamstern”, que significa apropriar-se. A explicação vem do facto de que ele tem o hábito de armazenar alimentos nas bochechas. O hamster sírio, chega a transportar até metade de seu peso em comida.

Muitas pessoas pensam que o hamster não passa de um rato comum. Ele é um roedor como ele, mas muito delicado e brincalhão, para além de não ser uma fonte transmissora de doenças. A taxionomia, ramo da biologia que trata da classificação dos seres, mostra claramente as semelhanças e diferenças entre esses animais. Dizer que um hamster é um rato é como dizer que um gato doméstico é igual a um Tigre.

O pequeno roedor é ideal para apartamentos, pois não precisa de muito espaço. Por outro lado, reproduz -se a uma velocidade estonteante (a gestação vai de 16 a 30 dias e podem nascer de 4 a 18 novos hamsters). Se adquirir um casal, há que tomar cuidados extra para evitar ficar com um montão de filhotes. Para evitar este problema o melhor é acomodar cada animal num espaço diferente.

Para escolher o animal que vai levar para casa, preste atenção a detalhes como as condições de higiene do local onde se encontra, o seu estado de agitação (hamsters agitados significam hamsters saudáveis) e a sua pelagem (que não deve ter falhas). Deve ter olhos vivos, atrevidos e ser bastante enérgico. Um osso dorsal saliente e um ventre inchado são sinais de uma alimentação deficiente. Evite colocar muitos hamsters, mesmo que do mesmo sexo, no mesmo espaço. Alguns não se toleram. Os mais jovens podem viver juntos mais ou menos até às seis/oito semanas de idade, mas depois disso começam a lutar entre si.

Modo de lidar
Para pegar no hamster deve proceder-se do seguinte modo: estenda a palma da mão sobre o corpo do animal com este virado de costas para si. De seguida feche os dedos debaixo da barriga e levante-o suavemente, mas suficientemente rápido para que ele não fuja. Forme um tubo com os dedos, pressionando levemente o corpo do hamster. Não aperte demasiado o animal. Segure-o apenas com a firmeza suficiente para ele se sentir seguro (se segurar no hamster de forma muito solta ele sente-se inseguro e tenta fugir). Quando o levantar, vire a palma da mão para cima e voltada para si. Desta forma ele fica confortavelmente na sua mão, sobre o dorso e a olhar para si. Inicialmente não pegue no animal muito tempo seguido, pois pode ficar assustado.

Onde acomodar o hamster?
Uma das opções é a gaiola de arame, que é ventilada e fácil de limpar. Certifique-se que as barras têm distância máxima de 1,25 cm entre si , o que evita fugas. Além disso, é preciso forrar qualquer um dos lugares com papel picado (preferencialmente não impresso, para evitar intoxicações) ou serradura. Atenção que os hamsters não gostam de estar sujos nem de viver em gaiolas sujas!

Ao adquirir o hamster, peça ao criador ou na loja onde o comprou, informações extras para assegurar o conforto e bem estar do seu novo companheiro. Uma recomendação importante é colocar uma roda gigante apropriada para ele se exercitar. No seu habitat natural, o hamster costuma andar muitos quilómetros à procura de alimento e a roda funciona como uma espécie de simulação, evitando o atrofiamento de seus músculos.

Originalmente publicado na Arca de Noé: Fonte
Algumas imagens poderão conter direitos de autor, indicados na fonte.

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer contribuir para a discussão?
Sinta-se a vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *